A culpada

Minha foto
Nenhuma literatura está livre de ficção. E nem de verdade.

terça-feira, 5 de abril de 2011

Ela falava. Ele andava. Ela berrava. Ele andava mais rápido. Resolveu ir atrás dele e o alcançou. Segurou-o pelo braço e começou a dizer aquelas duras e injustas palavras cheias de ódio.
 Ele simplesmente a olhava enquanto ouvia tudo. Ao olhar nos olhos dela, ele pode ver o diabo, e, por mais incrível que seja, não sentiu medo. Continuou olhando cada vez com mais profundidade até que ela se aquietou. Os olhares se cruzaram e ficaram fixos por pouco mais de um minuto.
Ela o abraçou e sentiu uma paz que nunca havia sentido. Ele suspirou e deixou descer aquela única e inevitável lagrima que tinha gosto de alívio. Ela sentiu que finalmente havia encontrado alguém que pudesse enfrentar até o seu pior lado.
Acorrentou-se a ele e então sentiu-se livre.

Um comentário:

Lucas Zanini disse...

lindo, muito lindo